Candidata propõe eleições gerais na Famasul

Em oposição ao atual presidente Mauricio Saito, Terezinha Candido quer mais participação do produtor

Publicado em: 22/05/2018 às 06h32

Assessoria

Foto: Foto: Divulgação

Terezinha Candido é candidata a presidência da Famasul pela chapa Novos Tempos

No cerne das discussões pela sucessão na Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul (FAMASUL), a proposta que encabeça o plano de gestão da candidata pela chapa “Novos Tempos”, Terezinha Candido, poderá revolucionar a relação entre a instituição e os sindicatos rurais do Estado com eleições gerais.

Entidade integrada a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), a Famasul é a organização patronal responsável pela representação da classe produtora rural junto ao Estado e a sociedade em geral. Sua base é composta por 69 Sindicatos Rurais instalados em praticamente todos os municípios do MS.

De acordo com o regimento eleitoral da instituição, o pleito ocorre de forma colegiada. Presidente, vice e integrantes da diretoria são escolhidos por meio de votos dos sindicatos rurais, que representam a classe produtiva de todo Estado.

“A Democracia plena passa pelo direito de todos de exercerem sua escolha e preferência em todos os níveis da sociedade organizada, por isso nosso compromisso é pela implantação de eleições gerais para que os produtores sindicalizados possam manifestar sua preferência e escolha”, comenta Terezinha.

A candidata explica que, num primeiro momento, em atendimento às normativas legais, será proposto o regime de Plenárias. Desta forma, conforme o plano de gestão da chapa Novos Tempos, apesar da manutenção do voto qualitativo, o mesmo poderá refletir o pensamento da maioria dos associados. Assim o resultado das Plenárias dará subsídios e norteará o voto qualitativo do delegado sindical.

A proposta, no entanto, é ir além. Visa a substituição do voto qualitativo pelo chamado voto unitário. “Desta forma será possível construir um ambiente participativo, justo e inclusivo nos processos de escolha de seus representantes”, reitera a candidata.

Novidade - A primeira disputa real pela presidência da Famasul é oficial. O registro das candidaturas das duas chapas foi deferido na última semana pela direção da entidade.

Marcada para o dia 16 de junho, essa será a primeira eleição de fato a ser disputada na Federação que representa a classe produtora do Estado, ao longo de seus 40 anos de existência. Desde sua fundação, em 27 de outubro de 1977 – logo após a divisão do Estado de Mato Grosso – as sucessões sempre foram marcadas por chapas únicas.

Representando a mudança, Terezinha enfrenta o atual presidente da Federação, Mauricio Saito. Segundo a candidata de oposição, a atual gestão negligenciou os interesses da classe produtiva em apoio ao governo de Reinaldo Azambuja (PSDB). “O que se espera de uma federação é que represente os interesses de seus associados e não foi o que aconteceu. Hoje não sabemos onde termina a Famasul e começa o governo”, dispara a candidata.