Concurso da PMMS terá reforço na segurança, transporte coletivo e esquema especial de trânsito

Levantamento aponta que 17 mil são de fora, sendo 9 mil de outros estados

Publicado em: 11/08/2018 às 07h43

Correio do Estado

realização do concurso da Polícia Militar no domingo (12) deve movimentar em torno de R$ 3 milhões na economia de Mato Grosso do Sul, entre hospedagens e alimentação. Isto porque muitos candidatos inscritos são de fora do estado ou das cidades onde serão realizadas as provas. Ao todo, mais de 36 mil pessoas se inscreveram no concurso que vai formar soldados e oficiais da PM.

 

De acordo com dados da Fundação de Apoio à Pesquisa ao Ensino e à Cultura de Mato Grosso do Sul (Fapems), dos cerca de 45 mil inscritos, aproximadamente 17 mil irão deslocar de suas cidades originárias para realizar a prova, sendo nove mil delas de outros Estados.

 

Por conta disso, grande parte dos candidatos precisará investir em itens como hospedagem, alimentação e deslocamento nas cidades de Campo Grande e Dourados, onde as provas serão aplicadas.

 

 

 

De acordo com a última pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (ABBT), de 2017, o preço estimado para cada refeição consumida em Campo Grande é de R$ 26. Já a média de preço para hospedagem, usando Campo Grande como referência, é de R$170.

 

Estimativa da Fapems aponta que pelo menos 80% dos candidatos que se deslocam de suas cidades fazem uso de hotéis e restaurantes. Considerando estes dados, se cada fizer uma refeição e se hospedar em hotel, a movimentação financeira deve girar em torno de R$ 3,3 milhões.

 

O montante pode ser maior, se considerar que os candidatos podem gastar com atividades de turismo e lazer, compras e outras despesas. Além disso, o levantamento não leva em conta as despesas extras dos candidatos que moram nos locais de provas.

 

Presidente da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac), Marco Antonio Araújo Jr, afirma que esta grande procura por concursos públicos, com pessoas buscando vagas em outras cidades e estados, é um dos reflexos do cenário de crise financeira vivido pelo Brasil nos últimos anos.

 

“Um dos principais desafios da crise é a falta de emprego e nesse contexto nós temos o sujeito que estava colocado no mercado de trabalho e foi demitido, e aquele que estava fora do mercado e não consegue colocação. Para ambos, os concursos passam a ser vistos como boas alternativas profissionais”, disse Araújo Jr.

 

CONCURSO

 

As provas para as 388 vagas de soldados serão realizadas, a partir das 8h. Os prédios escolhidos pela Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura de MS (Fapems) são  as universidades Uniderp, Matriz e Agrárias, Anhanguera, UCDB e Unigran, em Campo Grande. Já em Dourados ficaram estabelecidas as unidades da Unigran e UFGD.

 

As 62 vagas para oficial serão disputados na parte da tarde, após às 14h, na universidade Unigran polo em Campo Grande e Dourados.

 

Os soldados aprovados, vão participar de um curso de formação com duração de 10 meses, mas, neste período já estarão à disposição da sociedade. Os oficiais ficam em torno de seis meses no curso de formação. Os salários são de de R$ 3.352, 53 para soldados de R$7.089,23 para oficiais.

 

A organização do concurso recomenda aos candidatos que cheguem antecipadamente aos locais de prova, evitando transtornos com o trânsito que tradicionalmente se intensifica nos momentos anteriores ao fechamento dos portões.