Ao Jequitibá - Raquel de Oliveira Fonseca 

Publicado em: 10/12/2018 às 10h40

Assessoria

 

O bairro cresce, junto ao exuberante Jequitibá, cujo olhar estende-se para além das fronteiras do parque que recebe seu nome. Cresce sem pressa... mas vigoroso, tranquilo como a famosa árvore.

Patrimônio histórico de Dourados desde 16 de agosto de 2005, com cerca de trinta metros de altura, sobressai às casas e às àrvores em todo o entorno, obrigando os olhos que procuram sua fronde, a se voltarem para o céu.

Majestoso, ainda que ferido.

O Jequitibá está ferido. Primeiro, cupins; depois, incêndio criminoso e descaso... A árvore centenária está ferida. Quem a visita ou a vê diariamente, não pode deixar de questionar: Onde está a Instituição competente, responsável por zelar pelo Patrimônio público?

Outra situação intriga o Jequitibá. Faça chuva ou faça sol, os moradores enfrentam ora o barro, ora a poeira que a tudo tinge de terracota. O extenso e antigo bairro em seu grande território acomoda, gentilmente, a Prefeitura da Cidade, o Estádio Douradão, o Detran, e, continua incansável na solicitação: Queremos asfalto!

A comunidade compreende que não se trata de concessão de favores. O asfalto, por direito, lhes pertence! São cidadãos dessa República dourada, aguardando ruas pavimentadas e iluminação pública de qualidade.

Entretanto... o chão vermelho que viu brotar, provavelmente, há um século, o ímpar, o valente Jequitibá, traz novidade boa para divulgar pelos bairros amigos que o circundam e por toda Dourados:

Em novembro de 2016, mudas de árvores frutíferas foram plantadas no lugar destinado a ser a praça do bairro. Uma mangueira e um abacateiro deram início a esse evento, abrindo espaço, por entre as braquiárias. Sob os cuidados de abençoadas mãos dos moradores Mauro, Henrique e “Seu” Zé, pouco a pouco, o verde da “Praça dos Vizinhos” foi se desenhando.

A rica diversidade de árvores dá forma particular e especial ao lugar. Entre as frutíferas: laranjeira, cajueiro, pokanzeira, amoreira, limoeiro, jaqueira pitangueira, ameixoeira, gravioleira, pinheira, coqueiro... E outras ainda: figueira, palmeira, Ipê, algodoeiro...

Os festivos pássaros estão chegando, junto com as primeiras flores e frutos. O chão vermelho da praça, se cobre de verdíssima grama e as primeiras árvores já se formaram, são jovens, atingindo cerca três metros de altura.

A “Praça dos Vizinhos” é a beleza inspiradora que não permite que o Jequitibá seja esquecido.  A praça é o convite do Parque do Jequitibá à preservação da natureza, das nossas espécies, da flora que teima em permanecer nos espaços urbanos.  

Dourados tem uma nova Praça, plantada e preservada pela comunidade que ama o seu lugar, o seu espaço. E que, mesmo ciente dos retrocessos, prefere acreditar na vida e na força da fé que o Jequitibá proclama todas as manhãs.

Raquel de Oliveira Fonseca  (Professora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul)